Vinhos

Vinho e queijo: uma combinação perfeita para prevenir a doença de Alzheimer

Uma nova pesquisa encontrou uma correlação entre o consumo de queijo e vinho tinto e um menor risco de desenvolver várias doenças cognitivas

Uma nova pesquisa sugere que o vinho e o queijo não são apenas uma combinação perfeita, mas também podem reduzir o risco de desenvolver doenças cognitivas como o mal de Alzheimer. A forma mais comum de demência, a doença de Alzheimer, leva à deterioração das funções cerebrais que afetam a memória e a capacidade de realizar tarefas diárias. De acordo com a Associação de Alzheimer, mais de 5 milhões de americanos são afetados pela doença.

A dieta tem sido considerada um marcador de nossa saúde na parte final da vida, e estudos mostraram uma ligação entre a dieta, a doença de Alzheimer e outras demências. Um estudo recente conduzido na Iowa State University, nos EUA, descobriu que consumir mais vinho e queijo ao longo do tempo pode ajudar a melhorar a saúde cognitiva à medida que envelhecemos.

Analisando dados do UK Biobank, um banco de dados de pesquisa biomédica, o estudo acompanhou mais de 1.700 participantes, com idades entre 46 e 77, ao longo de 10 anos. Cada participante completou uma avaliação inicial que incluiu perguntas sobre sua dieta e um Teste de Inteligência de Fluidos (FIT), que mede a capacidade de usar a razão e a lógica rapidamente para resolver problemas. Duas avaliações de acompanhamento foram administradas aos mesmos participantes entre 2006 e 2012. Os questionários perguntaram aos participantes com que frequência eles consumiam frutas, vegetais, peixes, carnes processadas, aves, bovinos, ovinos, suínos, queijos, pães, cereais, chá e café, cerveja e cidra, vinho tinto, vinho branco, espumante e licor.

Os dados mostraram uma correlação entre o consumo de vinho tinto e queijo e melhor desempenho nos testes FIT. “Havia uma relação forte e clara entre comer mais queijo ou beber mais vinho tinto e ter uma pontuação de inteligência fluida mais alta em um período de seis a 10 anos”, relata o investigador principal Dr. Auriel Willette. Esta é uma ótima notícia para os amantes de vinho e queijo, já que um declínio nas pontuações FIT está relacionado a um risco aumentado de Alzheimer.

Embora o consumo moderado de vinho tinto e queijo tenha a melhor correlação para os participantes que não apresentavam risco genético de desenvolver doenças cognitivas, aqueles com predisposição genética se beneficiaram com o consumo diário de qualquer tipo de álcool.

"Dependendo dos fatores genéticos que você carrega, alguns indivíduos parecem estar mais protegidos dos efeitos do Alzheimer, enquanto [outros] parecem estar em maior risco. Dito isso, acredito que as escolhas alimentares certas podem prevenir a doença e o declínio cognitivo como um todo", ressalta o autor principal da pesquisa Brandon Klinedinst. "Talvez a bala de prata que estamos procurando seja melhorar a forma como comemos. Saber o que isso implica contribui para uma melhor compreensão do Alzheimer e coloca essa doença em uma trajetória reversa."

O estudo não examinou quais componentes do queijo e do vinho eram benéficos, e Willette observou que mais testes clínicos seriam necessários para determinar se uma mudança explícita na dieta poderia afetar a saúde do cérebro, mas ele acredita que suas descobertas são promissoras. "Fiquei agradavelmente surpreso que nossos resultados sugerem que comer com responsabilidade queijo e beber vinho tinto diariamente não são bons apenas para nos ajudar a lidar com nossa atual pandemia de COVID-19, mas talvez também a lidar com um mundo cada vez mais complexo que nunca parece desacelerar."


Fonte: Wine Spectator

Jornalista Responsável

Jairo Caprara - MTPS 3522

oecodovale@italnet.com.br

 

Filiado à ADJORI/RS e ABRAJORI

© 2016 by LHS - Assessoria Digital