Agricultura

Pesquisa da Seapdr mostra que fungo aumenta produtividade de milho em 2,4 mil quilos por hectare

Depois de uma quebra de safra devido à estiagem, uma boa notícia para os produtores de milho do Rio Grande do Sul: pesquisa em campo realizada pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) constatou aumento de mais de 2,4 mil quilos por hectare na produtividade do milho híbrido quando semeado com inoculação do fungo Trichoderma harzianum. O ensaio foi conduzido em campo experimental em São Borja, nesta safra, antes do período da seca.

Pesquisadores e técnicos do Departamento de Diagnóstico e Pesquisa Agropecuária da Secretaria (DDPA/Seapdr) semearam duas parcelas de milho híbrido lado a lado no campo experimental. O manejo da cultura ocorreu normalmente em ambas as parcelas, com adição de fertilização mineral e controle fitossanitário.

 

A diferença foi a inoculação no momento da semeadura. Em uma parcela, não houve tratamento de sementes; na outra, as sementes de milho foram imersas em um inoculante que continha isolados do fungo Trichoderma harzianum, produzido no Laboratório de Insumos Biológicos do Centro de Pesquisa em Florestas, de Santa Maria. Enquanto a parcela de plantas não inoculadas produziu 13.800 quilos por hectare, a de plantas provenientes de sementes inoculadas somou 16.232 quilos por hectare.

 

“A inoculação do fungo resultou em incrementos significativos na produtividade do milho. Observamos efeitos positivos do tratamento sobre o comprimento e o diâmetro da espiga, o número de grãos por linha, o peso total da espiga e o peso total de grãos por espiga”, afirma a pesquisadora Gerusa Steffen.

 

O estudo sugere que o fungo Trichoderma causou um aumento na quantidade de raízes e no diâmetro do caule das plantas que foram inoculadas. “Com isso, houve um aumento da capacidade das plantas em absorver e translocar nutrientes e água durante o ciclo da cultura”, explica Gerusa.

 

 

A pesquisadora aponta para a vantagem deste fungo ser encontrado naturalmente no solo do Rio Grande do Sul, ter crescimento rápido e habilidade para sobreviver em diferentes tipos de substratos, além de se associar beneficamente a outras espécies de cultivos agrícolas e florestais. “O Trichoderma é considerado um microrganismo com múltiplas funções, podendo ser utilizado tanto para a promoção de crescimento vegetal como para o controle de diversos fitopatógenos”, detalha.

 

O inoculante de Trichoderma produzido pelo DDPA/Seapdr ainda não é comercial e está passando por testes em diferentes culturas. Os resultados completos do estudo sobre a cultura de milho híbrido serão publicados em comunicado técnico nos próximos meses.

 

Mais informações sobre a pesquisa podem ser obtidas pelo e-mail florestas@agricultura.rs.gov.br ou pelos telefones (55) 3228-1045 e 3228-1212.

Texto: Elaine Pinto/Ascom Seapdr
Edição: Secom

01182449_1859100_GD.jpg

Rio Grande do Sul embarca 22 mil cabeças de gado para Jordânia

A pecuária gaúcha está para concluir um dos maiores embarques de exportação de gado vivo. São cerca de 22 mil animais que estão sendo levados e embarcados no porto de Rio Grande com destino à Jordânia - país que, ao lado da Turquia e do Egito, é um dos principais importadores de gado gaúcho. 

"A exportação de gado vivo é uma operação logística de processos complexos, com acompanhamento dos técnicos da Secretaria da Agricultura. A genética de nosso gado é bastante procurada pelos países árabes, e a exportação é mais uma alternativa de renda para nossos pecuaristas", afirma o secretário Covatti Filho.

Os animais são oriundos de duas propriedades. A fazenda Angus, em Rio Grande, enviou 9,5 mil cabeças de gado. Nesta segunda-feira (30), a partir das 14h, começa o transporte de 12,5 mil animais da fazenda Del Sur, em Capão do Leão. “O embarque ainda está sendo feito e deve concluir na quarta ou quinta-feira", conta o extensionista rural José Fernando Santos da Silva, que está acompanhando o embarque dos animais junto com a técnica agrícola Elisana Bilhalva Vitória, ambos da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr).

A Seapdr faz todo o acompanhamento do embarque, realizando a fiscalização sanitária e observância do bem-estar dos animais desde a propriedade, o período de quarentena, até o embarque no porto de Rio Grande. Com os riscos de contaminação por causa da pandemia de Covid-19, os técnicos da Seapdr envolvidos na operação de embarque estão adotando medidas de proteção extras, como o uso de máscaras, distanciamento físico e uso de álcool gel.

Técnicos da Secretaria acompanham o embarque de 22 mil animais para a Jordânia

Ministra e embaixador da China debatem relação comercial entre países

A relação comercial entre Brasil e China foi o tema central da reunião entre a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e o embaixador chinês Yang Wanming, na manhã desta terça-feira (4). “Tratamos das nossas parcerias comerciais que devem continuar tranquilamente, sem nenhum sobressalto, porque o Brasil é um grande parceiro da China na área de produtos agrícolas”, disse a ministra após a reunião.

A ministra destacou que a China abriu o mercado para o melão brasileiro e está sob análise a exportação de uva brasileira para os chineses. “Com a abertura do mercado para o melão, os nossos empresários estão fazendo os contatos na China para poder fazer as exportações. Nós já começamos a trabalhar o certificado sanitário da uva que é a próxima fruta que o Brasil quer exportar para China”, ressaltou.

O embaixador relatou as medidas adotadas pelo governo chinês em relação ao coronavírus. “Vamos acompanhar de perto. É muito importante essa proximidade do embaixador conosco, para estar sempre nos municiando, mas por enquanto tudo normal”, afirmou a ministra, acrescentando que a questão de saúde está sob a coordenação do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Segundo a ministra, no que diz respeito ao setor agropecuário, não há restrição ao intercâmbio comercial entre os dois países devido ao surto de coronavírus. O Brasil exporta para a China, principalmente, soja e carnes bovina, suína e de frango.

“Nós temos um procedimento de habilitação de frigoríficos que está andando no seu ritmo. Isso está em processo normal de encaminhamentos lá na China, nos ministérios e na aduana. Não mudou nada. O que pode ter atrapalhado a movimentação foi o feriado do ano novo chinês, que foi prolongado por causa do coronavírus”, argumentou.

O embaixador afirmou que a relação comercial entre os dois países no setor agropecuário é duradoura e será cada dia mais estreita. “O governo chinês se dedica a manter essa relação de longo prazo e estável com o governo brasileiro. Os produtos agrícolas brasileiros são bem-vindos. Não acredito que a relação sino-brasileira será prejudicada (pelo surto)”, disse.

Participaram da reunião, além da ministra e do embaixador, secretário de Comércio e Relações Internacionais, Orlando Ribeiro, o ministro conselheiro Qu Yuhui e o diplomata Zhu Yue.

Clique aqui para ouvir a matéria da Rádio Mapa

Informações à imprensa
imprensa@agricultura.gov.br 

10fa8910-b640-4e2e-8425-e600ca91c8c8.jpe

Agroindústrias locais marcam presença na abertura da estação vindima 2020

O período da vindima foi aberto oficialmente na última sexta-feira, 17, celebrando o cultivo e a colheita do fruto mais emblemático de Bento Gonçalves: a uva. Na Rua Coberta, comunidade e visitantes puderam desfrutar de vinhos e espumantes, da gastronomia típica e da produção das agroindústrias familiares locais.


Neste ano, onze estabelecimentos estiveram expondo seus produtos. Geleias, pães, biscoitos, cucas, bolos, torta tirolesa, doces caramelados, ovos, sucos e vinhos coloniais, estiveram entre as opções.


Os sabores da agricultura bento-gonçalvense também marcaram presença na festa, a partir da participação de agricultores que comercializam na Feira do Produtor Rural, que trouxeram variedades de uva, além de melão, pêssego e figo.


"Foi uma experiência positiva. É muito importante ter esse espaço para divulgar os nossos produtos, que são diferenciados. O pessoal que provava os doces voltava pra buscar mais. Tivemos uma ótima aceitação. Com certeza, participaria novamente", comenta a proprietária da agroindústria Doces Lisa Bucco, Agda Bucco Tomasi.


O secretário de Desenvolvimento da Agricultura, Dorval Brandelli, destaca a importância dessa valorização. "Em uma festa que comemora mais um ano de colheita e o trabalho dos nossos agricultores, a presença das agroindústrias familiares foi imprescindível. É o reconhecimento e o incentivo do que é produzido aqui. É dar visibilidade aos produtos, que tem garantia de ótima qualidade", enfatiza.


As agroindústrias familiares que estiveram presentes foram: Doces Dall'Oglio, Anita Marcolin, Janete Produtos Coloniais, Casa Adesso, Porão do Vale, Piccola Cantina, Gallon Sucos, Ovos Coloniais Polônia, Casa Rebello, Iracema Dalpiva e Doces Lisa Bucco.

Assessoria de Comunicação Social da Prefeitura

Fotos: Laura Kirchhof

uvada.jpg

Tecnovitis 2019 é lançada em evento na Secretaria da Agricultura

A terceira edição da Tecnovitis - Feira de Tecnologia para Viticultura, a ser realizada em Bento Gonçalves, de 4 a 6 de dezembro, foi lançada nesta terça-feira (12) na sede da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), em Porto Alegre. O secretário adjunto da Seapdr, Luiz Fernando Rodriguez Junior, representou o secretário Covatti Filho no evento. “A Tecnovitis tem gestão da propriedade, novas tecnologias de produção da videira, e nossa secretaria tem que ser um canal de desenvolvimento do setor”, afirmou.

Voltado para os produtores de uvas para vinho, sucos, espumantes e uvas de mesa, o evento apresenta novas tecnologias, equipamentos e produtos da viticultura, além de palestras, demonstrações técnicas a campo e exposição de produtos e serviços para o setor. Os organizadores esperam, nesta edição, que a feira possa atrair o mercado externo, com uma audiência pública sobre os impactos do acordo entre o Mercosul e a União Europeia para o setor. A entrada é gratuita, e a média de público esperada é de 15 mil visitantes.

A solenidade de lançamento teve também a presença do presidente da Emater, Geraldo Sandri; do secretário de Desenvolvimento Agrícola de Bento Gonçalves, Dorval Brandelli; do presidente do Sindicato Rural da Serra Gaúcha, Elson Schneider; do diretor técnico do Senar, Claudio Rocha; do coordenador da Tecnovitis 2019, Claimar Zonta; de diretores da Seapdr e representantes do setor e de entidades da Serra.

12153535_99664_GDO.jpg

Secretaria da Agricultura publica editais de chamamento público para juventude rural

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural abriu esta semana, para consulta, quatro editais de chamamento público para projetos relacionados à juventude rural.  Divididos por regiões, os editais visam a celebração de termos de colaboração com organizações da sociedade civil (OSC), no valor total de R$ 600 mil, para execução de ações de formação integral e organização de jovens rurais familiares, baseadas na Pedagogia da Alternância, em todo o Rio Grande do Sul.

“O objetivo destes editais é desenvolver ações de formação que garantam a permanência do jovem no campo e a sucessão rural”, afirma o secretário Covatti Filho.

Os editais podem ser consultados neste link até 22 de outubro - são os editais de número 11/2019, 12/2019, 13/2019 e 14/2019. As entidades interessadas terão de 23 de outubro a 4 de dezembro para cadastrarem as propostas no Portal de Convênios e Parcerias RS. O resultado do julgamento das propostas se dará a partir de 20 de dezembro.  

Entre as metas, estão a capacitação de jovens através de oficinas de formação nas áreas de agricultura familiar, agroecologia e segurança e soberania alimentar, visitas técnicas a propriedades que desenvolvam sistemas de produção de base ecológica ou orgânica, incluindo o beneficiamento, a comercialização ou a certificação do alimento e visitas às famílias de jovens produtores rurais.

POR DIVULGAÇÃO/SEAPDR

jovem agricultor.jpg

Secretaria da Agricultura orienta sobre obtenção do Selo Arte para agroindústrias de queijo artesanal serrano

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) informa às agroindústrias produtoras de queijo artesanal serrano os procedimentos para a obtenção do Selo Arte, regulamentado por decreto federal este ano, para permitir a venda interestadual de produtos alimentícios artesanais, como queijos, mel e embutidos. Os empreendedores interessados em conseguir o Selo Arte devem apresentar os seguintes documentos:

1) Declaração de procedência de produto alimentício de origem animal produzido artesanalmente (modelo de declaração ao final deste texto), de forma a garantir a identidade, a qualidade e a segurança do produto alimentício artesanal, nos termos do art. 2º, parágrafo único, da IN SEAPDR 10/2019. A declaração deverá estar assinada e com firma reconhecida em cartório pelo proprietário da agroindústria requerente.

 

“IN SEAPDR 10/2019

(...)

Art. 2º O queijo artesanal serrano comercializado com base na presente Instrução Normativa será reconhecido em todo o território do Estado do Rio Grande do Sul e por força do disposto no § 2º do art. 2º do Decreto Federal 9.918/2019, será comercializado no âmbito da República Federativa do Brasil.

Parágrafo único. A identidade, a qualidade e a segurança do produto alimentício artesanal serão garantidos pelo produtor artesanal, sob as penas da lei”.

 

2) Título de registro no Serviço de Inspeção Municipal (SIM), assinado pelo prefeito municipal, com prazo de expedição de no máximo 60 (sessenta) dias.

 

3) Alvará Municipal de localização atualizado.

 

4) Inscrição estadual ou federal da agroindústria.

 

Observação: A agroindústria produtora de produto alimentício de origem animal produzido de forma artesanal – queijo artesanal serrano, que já estiver cadastrada junto ao Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar, Artesanal e de Pequeno Porte (SUSAF-RS), a que se refere a Lei Estadual 13.825/2011, estará dispensada de apresentar a documentação elencada nos itens 2, 3 e 4 deste documento.

 

DECLARAÇÃO SELO ARTE (.docx 8,78 KBytes) 

queijos.jpg

Recepção aos animais na Expointer será dia 19, com Café de Cambona

A recepção e a inspeção dos animais participantes da 42a Expointer será iniciada na próxima segunda-feira (19), às 6h, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio. Este ano, a abertura dos trabalhos será celebrada com uma rodada de Café de Cambona, ou Café de Tropeiro, oferecido pela prefeitura de São Nicolau. O governador Eduardo Leite e o secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Covatti Filho, participarão da recepção, no portão 8.

Após a abertura dos portões, os animais de argola (de exposiçãop) poderão entrar no parque até as 23h59min da sexta-feira (23), véspera de início da feira. Os animais de provas e os rústicos poderão ingressar durante todo o período da Expointer, desde que tenham sido previamente inscritos.

Todos os animais que participam da Expointer são inspecionados pelo serviço veterinário oficial. Ao todo, mais de 100 profissionais, entre veterinários e quadro técnico, estarão envolvidos na atividade. “Nosso objetivo é zelar pela boa sanidade de absolutamente todos os animais que participam da Expointer”, ressalta Paulo o secretário Covatti Filho.

Para a inspeção, além da Guia de Trânsito Animal (GTA), os proprietários devem apresentar uma série de documentos sanitários referentes a cada espécie. Os animais só podem entrar parque após a verificação dos itens exigidos e da inspeção clínica.

A 42ª edição da Expointer contará com 3.975 animais de argola. Para o subsecretário do Parque de Exposições Assis Brasil, José Arthur Martins, a entrada de novas raças de animais em competição, como o bovino de corte Senepol, e a volta de algumas raças, como o bovino Canchim e o cavalo Gipsy Horse, mostram que os produtores estão otimistas. “A expectativa é positiva porque houve aumento no número de animais de maior interesse econômico”.

Além dos julgamentos e leilões de animais, a Expointer terá em sua programação o desfile dos campeões, palestras técnicas, feira da agricultura familiar e espetáculos artísticos, entre outras atrações. A Expointer ocorre de 24 de agosto a 1º de setembro, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio.

cambona.jpg

Serviços de bilheteria e estacionamento da Expointer 2019 têm empresa definida

A Subsecretaria Central de Licitações (Celic), órgão vinculado à Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag), divulgou nesta sexta-feira (12) o resultado final da licitação da empresa que irá explorar os serviços de bilheteria e estacionamento durante a Expointer 2019. Com uma oferta de R$ 2,32 milhões pela concessão, a empresa Multi Limp Prestação de Serviços Terceirizados saiu vencedora do pregão eletrônico.

O próprio edital já definiu os valores de ingresso para o público visitante: o bilhete para pedestres será de R$ 13 e o meio-ingresso está fixado em R$ 6. A vaga de estacionamento no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, custará R$ 32. A licitação também apontou o número mínimo de funcionários que a empresa terá que colocar em cada portão de acesso.

A homologação do resultado final do pregão eletrônico foi publicada na edição do Diário Oficial do Estado (DOE) desta sexta-feira (12). A Expointer 2019 acontece entre os dias 24 de agosto e 1º de setembro.

POR PEPO KERSCHNER/SEPLAG

expointer 2019.jpg
expointer 2019.jpg

Serviços de bilheteria e estacionamento da Expointer 2019 têm empresa definida

A Subsecretaria Central de Licitações (Celic), órgão vinculado à Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag), divulgou nesta sexta-feira (12) o resultado final da licitação da empresa que irá explorar os serviços de bilheteria e estacionamento durante a Expointer 2019. Com uma oferta de R$ 2,32 milhões pela concessão, a empresa Multi Limp Prestação de Serviços Terceirizados saiu vencedora do pregão eletrônico.

O próprio edital já definiu os valores de ingresso para o público visitante: o bilhete para pedestres será de R$ 13 e o meio-ingresso está fixado em R$ 6. A vaga de estacionamento no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, custará R$ 32. A licitação também apontou o número mínimo de funcionários que a empresa terá que colocar em cada portão de acesso.

A homologação do resultado final do pregão eletrônico foi publicada na edição do Diário Oficial do Estado (DOE) desta sexta-feira (12). A Expointer 2019 acontece entre os dias 24 de agosto e 1º de setembro.

POR PEPO KERSCHNER/SEPLAG

agricultura.jpg

PROGRAMA DAS AGROINDÚSTRIAS FAMILIARES DE BENTO SERÁ CASE DE PROJETO DA EMATER

Bento Gonçalves segue ganhando destaque devido aos seus programas de incentivo, valorização e divulgação das agroindústrias familiares. Nesta quinta-feira, 23, o presidente da Emater/RS, Geraldo Sandri, em um encontro com o vice-prefeito, Aido Bertuol, anunciou que o Município foi o escolhido como case de sucesso em um projeto piloto da instituição.

 

O Presidente avaliou que “o município de Bento Gonçalves e a Emater fazem um trabalho muito forte e importante para alavancar as agroindústrias e o turismo no município, sendo que este deverá ser um case a ser replicado em muitos pontos do Estado”.

 

Durante o encontro, foi discutido o programa Selo Sabor de Bento, projeto que visa valorizar o produtor empreendedor, agregar renda aos participantes e estimular o consumo, viabilizando a ampliação de mercado e a competitividade, por meio da certificação de qualidade. Atualmente, Bento Gonçalves conta com 31 estabelecimentos registrados no Selo.

 

Também foram apontadas outras iniciativas desenvolvidas pela Prefeitura em parceria com entidades, como o projeto piloto do Vinho Colonial, as capacitações oferecidas aos moradores do interior, e as questões de desburocratização, fiscalização e organização na área.

 

O Vice-prefeito destacou que o reconhecimento de Bento Gonçalves se deve a um trabalho desenvolvido em conjunto. “A atual Administração trabalha na valorização dos produtores desde 2013, a partir da criação do Programa Municipal de Agroindústria Familiar, sendo o único município do Rio Grande do Sul a possuir uma iniciativa específica para essa atividade. Em parceria com as entidades, nosso objetivo é cada vez mais estimular a agricultura familiar e incentivar os nossos agricultores”, salienta.

 

A reunião foi acompanhada pelo secretário de Desenvolvimento da Agricultura, Dorval Brandelli, pelo chefe do Escritório da Emater/RS-Ascar de Bento Gonçalves, Thompson Didoné, pelo coordenador distrital Henrique Nuncio, pelo coordenador do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa), Cristiano Selbach, e pelo geólogo Luiz Pinto.

 

Assessoria de Comunicação Social

Fotos: Laura Kirchhof

623561cc-affc-4a69-9b15-917ac5b89672.jpe

Congresso aprova crédito suplementar que garante recursos para o Plano Safra 2019/2020

O Congresso Nacional aprovou nesta terça-feira (11), em sessão conjunta, o projeto de crédito suplementar em que o Executivo pede autorização para quitar, por meio de operações de crédito, despesas correntes de R$ 248,9 bilhões (PLN 4/19). O texto foi aprovado por unanimidade pela Câmara dos Deputados e pelo Senado e vai à sanção presidencial. 

Com a aprovação da proposta, ficam garantidos os R$ 10 bilhões previstos para a equalização dos financiamentos do Plano Safra 2019/2020, que será anunciado na semana que vem.

 

A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) acompanhou a sessão do Congresso que aprovou o PLN 4 e se reuniu mais cedo com a Frente Parlamentar da Agropecuária para pedir a aprovação do projeto. Segundo ela, o Plano Safra previsto para 2019/2020 irá oferecer novas ferramentas de acesso ao crédito para médios e grandes produtores.

O relatório do deputado Hildo Rocha (MDB-MA) promoveu ajuste para elevar em R$ 80 milhões o repasse ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), cancelando igual montante em subvenções.

Regra de Ouro

A Constituição Federal proíbe a realização de operações de crédito que excedam as despesas de capital. Essa “regra de ouro” só pode ser contornada por meio de créditos suplementares ou especiais com finalidade específica e aprovados pelo Congresso por maioria absoluta.

O PLN 4/19 busca essa autorização, já que as despesas de R$ 248,9 bilhões estão previstas no Orçamento para 2019 e são obrigatórias. Além do Plano Safra, a maior parte dos gastos envolvidos corresponde a benefícios previdenciários, como pensões e aposentadorias, mas estão incluídos Bolsa Família, Benefício de Prestação Continuada (BPC), entre outros itens.

*Com informações da Agência Câmara

Mais informações à imprensa:
Coordenação-geral de Comunicação Social
imprensa@agricultura.gov.br

Jornalista Responsável

Jairo Caprara - MTPS 3522

oecodovale@italnet.com.br

 

Filiado à ADJORI/RS e ABRAJORI

© 2016 by LHS - Assessoria Digital